_________________________________________________
_____________________________________________________________________________________________

19 de out de 2012

O recorrente apelo do messianismo

Não adianta.
Do alto de uma montanha de 2,5 milhões de cadáveres, um quinto da então população do Camboja, o moscovita Israel Shamir resolve agora excretar um artigo intitulado Pol Pot Revisited, do qual eu e o Google traduzimos os trechos abaixo:

(...) Surpreendentemente, os cambojanos não têm más recordações desse período. Isto é uma descoberta completamente surpreendente para um visitante freqüente. Eu não vim para reconstruir a "verdade", qualquer que ela seja, mas sim para descobrir o que é a memória coletiva dos cambojanos, como eles percebem os eventos do final do século 20, que narrativa foi filtrada pelo passar do tempo. A onipotente máquina de versões do Ocidente tem incorporado em nossa consciência a imagem de um sangrento Khmer Vermelho comunista canibalizando seu próprio povo em campos de extermínio e governado por um Pol Pot demencial, paradigma do déspota cruel.


O Pol Pot que os cambojanos lembram não era um tirano, mas um grande patriota e nacionalista, um amante da cultura nativa e da maneira natural de viver. Ele foi criado nos círculos reais de um palácio, sua tia era uma concubina do rei anterior. Estudou em Paris, mas em vez de ganhar dinheiro e investir numa carreira, voltou para casa e passou alguns anos morando com tribos da floresta para aprender com os camponeses. Ele sentiu compaixão pelas pessoas comuns das aldeias que eram explorados diariamente pelo povo da cidade, os parasitas compradores. Ele construiu um exército para defender o campo a partir desses ladrões de força de trabalho. Pol Pot, um homem monacal de necessidades simples, não buscava a fama, riqueza ou poder para si mesmo. Ele tinha uma grande ambição: terminar com o falido capitalismo colonial no Camboja, o retorno às tradições do campo, e de lá, construir um novo país a partir do zero. (...)

Sua visão era muito diferente da soviética. Os soviéticos construíram sua indústria por hemorragias do campesinato; Pol Pot queria reconstruir o campo primeiro, e só depois construir indústria para atender às necessidades dos camponeses. Ele considerava os moradores da cidade com desprezo, eles não faziam nada de útil, em sua opinião. Muitos deles estavam ligados a agiotas, uma característica distintiva do Camboja pós-colonial Camboja, outros ajudavam as empresas estrangeiras a roubar às pessoas a sua riqueza. Sendo fortemente nacionalista, Pol Pot estava desconfiado das minorias vietnamita e chinesa. Mas o que ele mais odiava era a cobiça, a ganância, o desejo de possuir coisas. São Francisco e Leo Tolstoy o teriam compreendido. (...)

Falamos muito sobre os males cometidos por regimes futuristas, e muito pouco sobre os males dos governantes gananciosos. Não é frequente nos lembrarmos da Bengala famélica, do holocausto de Hiroshima, da tragédia do Vietnã, ou até mesmo de Sabra e Shatila. A introdução do capitalismo na Rússia matou mais pessoas do que a introdução do socialismo, mas quem o sabe?

Agora podemos cautelosamente reavaliar as tentativas corajosas para chegar ao socialismo em vários países. Eles foram feitas sob codições severas e adversas, sob a ameaça de intervenção, face a uma propaganda hostil. Mas vamos lembrar: se o socialismo fracassou, o mesmo se deu com o capitalismo. Se o comunismo foi acompanhado pela perda de vidas, assim foi e é o capitalismo. Mas com o capitalismo, não temos um futuro que vale a pena, enquanto o socialismo ainda oferece esperança para nós e nossos filhos.

Nenhum comentário: